Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish

FIQUE POR DENTRO

O tamanho do aperto

Primeiro, Lula disse que a crise americana era “quase imperceptível no Brasil”. Passados uns dias, falou que o Brasil estava “muito tranqüilo para enfrentar a situação”. Agora, já muda a agenda e o tom, admitindo “algum aperto”, apesar de “muito pequeno”.
E ele falou isso antes que a bomba explodisse e os estilhaços chegassem ao Brasil. O Congresso dos EUA deu de ombros ao pacote anticrise de Bush -como, de resto, os congressos costumam desdenhar pacotes, programas ou projetos de presidentes em fim de mandato.
Ainda mais de um como Bush. As Bolsas entraram em queda livre. A de São Paulo se esborrachou, e o dólar deu um salto de 6%. O “aperto” chegou. Não é “imperceptível”, certamente não será “muito pequeno”, ninguém mais está “tranqüilo”. E o que mais assusta é que nem governo, nem empresas, nem economistas de qualquer tendência conseguem projetar o que vem por aí.
Henrique Meirelles, aliás, reagiu menos como presidente do Banco Central e mais como cidadão curioso, perplexo e, sobretudo, impotente. Ao saber das novidades, declarou: “Acabamos de ter mais uma surpresa”. E se gabou: “Fizemos bem em não fazer previsões!”.

Fonte: Folha de São Paulo