Chinese (Simplified)EnglishPortugueseSpanish

FIQUE POR DENTRO

Analistas criticam politização das negociações comerciais

“Convidaram um piromaníaco para entrar em uma casa que já não ia bem.” Foi assim que Peter Hakim, presidente do Inter American Dialogue, definiu a entrada da Venezuela no Mercosul. Segundo Hakim, que participou do seminário Políticas Comerciais Comparadas, promovido pelo Instituto de Estudos do Comércio e Negociações Internacionais (Ícone) e pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o Mercosul já vinha capenga, com uma série de “regras incompletas e vagas que freqüentemente são desobedecidas”. A entrada da Venezuela no bloco, para Hakim, só piora a situação.
O ex-ministro das Relações Exteriores Celso Lafer engrossou o coro de críticas ao Mercosul e à adesão da Venezuela ao bloco. “A incorporação da Venezuela de Chávez representa uma enorme dificuldade para o funcionamento do Mercosul e para as negociações com a União Européia, por exemplo”, disse Lafer. “O Mercosul tinha uma leitura política, de um bloco com cláusula democrática, com histórico de respeito aos direitos humanos – isso dava uma legitimidade ao Mercosul.” Segundo Lafer, Chávez não agrega essa qualidade à dimensão que o Mercosul tinha.

Fonte: O Estado de São Paulo